Sábado, 5 de Janeiro de 2008

O Campo Santa Cruz...

O Campo Santa Cruz

 

                A 7 de Janeiro de 1910, o «Reitor do liceu pede à Câmara cedência de terrenos onde possam funcionar jogos para educação física dos alunos». A 7 de Abril de 1910, comunica-se «ao Reitor do Liceu que o terreno da quinta de Santa Cruz destinado a jogos já se encontra em condições de ser utilizado»

 

                A 21 de Abril de 1910, realizou-se «pelas 8.30 da manhã, com grande assistência, a inauguração do campo para jogos físicos, no terreno que a Câmara Municipal de Coimbra havia para tal fim concedido ao Liceu Central desta cidade. Sob a direcção do distinto professor de ginástica, Sr. Augusto Martins, as 3 turmas da 1ª Classe fizeram alguns exercícios demonstrativos de ginástica sueca. Em seguida realizaram-se 3 partidas de balão francês pela turma B da 5ª classe»

 

                O «Sr. Agostinho Costa, captain geral dos teams do foot-ball do Gymnásio Coimbra», tinha a função de marcar treinos a todas as equipas que constituíam o clube e dos jogadores específicos de uma equipa. Desde Novembro de 1911, que havia no Ginásio Coimbra uma frequência intensa e semanal de treinos de futebol, como aconteceu por exemplo na segunda semana de Dezembro do mesmo ano que o programa de treinos apresentou o seguinte calendário: «5º Feira – treino do II Team às 8 e meia da manhã, do III e IV às 12 horas e do I às 2 da tarde no campo Ínsua dos Bentos; 6ª Feira – Treino do Keeper do II team e do Keeper do I às 11 horas e meia da manhã no mesmo local; Sábado – treino do III e IV teams às 2 horas e do Keeper do I team às 3 horas, no Campo do Lyceu; Domingo – treino do I e II teams às 12 horas e do III e IV às 2 horas, no Campo Ìnsua dos Bentos»

 

                A partir de Março de 1912, o Campo do Lyceu passa a ser mais conhecido pelo Campo Santa Cruz e mais pretendido para os treinos de futebol das equipas que cada vez surgiam mais no meio futebolístico de Coimbra. A procura deste espaço desportivo foi tal, que com o apoio do Jornal de Coimbra os grupos de futebol intercederam «junto da Câmara a fim deste lhe mandar deitar umas camadas de terra, pois é um campo esplendido para treinos [...] a Câmara nada tem a perder, porque não havendo por aí campo em condições para treino, poderia até aquele ser arrendado a vários grupos de foot-ball, no caso, é claro da Câmara o mandar tratar e preparar convenientemente».
 

                  Em Fevereiro de 1918, a secção de futebol da Associação Académica de Coimbra toma um novo rumo, aparecendo novamente nos campos de futebol em Coimbra. Após a visita do Presidente Sidónio Pais foram intensificadas as obras do Campo de Santa Cruz, tendo vindo a Coimbra realizar dois jogos com o grupo da Associação Académica, o Clube Império, de Lisboa, que saiu vencedor. O primeiro jogo, presenciado por considerável assistência, teve lugar no Campo Santa Cruz no dia 23 de Fevereito de 1918, correspondendo à 2ª inauguração do campo. A segunda partida realizou-se, no dia seguinte,  no campo da Escola Agrícola, na Bencanta.

 

                Em Julho de 1918, o «governo de Sidónio Pais publicou um decreto concedendo um empréstimo de 100 contos a Universidade de Coimbra para a conclusão do Campo de Jogos e a construção de um edifício destinado a sede da Associação Académica»

 

               A 5 de Março de 1922, o «Campo de Jogos de Santa Cruz foi inaugurado festivamente com a assistência do Reitor Doutor António Luís Gomes e do Ministro dos Negócios Estrangeiros, dr Barbosa de Magalhães. O grupo de futebol da A.A, disputou um jogo com o Académico do Porto». Em Maio de 1922, no «Campo de Jogos de Santa Cruz iniciou-se a construção de um balneário, estando prevista, também, a abertura de uma piscina para a pratica da natação.»

 

              A 22 de Outubro de 1922, foi fundada a Associação Futebol de Coimbra, tendo sido aprovados os estatutos, o regulamento interno e a direcção da nova associação, numa das salas da Associação Académica de Coimbra. Isto implicou que o Campeonato do Centro de Portugal deixasse de existir dando lugar, na época de 1922/23, à primeira edição do Campeonato de Coimbra que se realizou no Campo de Santa Cruz. Foi exactamente neste último campo que “se realizou em 3 – XII de 1922 a primeira jornada oficial da A . F . C . com os seguintes jogos: Onze Brancos – Esperança (3ª categorias), Académica – Conimbricense (3ª categorias), União – Aviz (2ª categorias), Académica – Moderno (1ª categorias)

 

                A 29 de Abril de 1928, a Académica inaugura o seu primeiro campo de basquetebol, dentro do Campo de futebol “Santa Cruz”. Faziam com riscos e cal, as marcações adequadas e as tabelas eram colocadas nos sítios regulamentares.

 

                 A 10 de Abril de 1932, a Académica inaugura um novo campo de basquetebol, ao lado dos balneários do Campo de futebol “Santa Cruz”.

 

                  Numa altura em que a Académica procurava melhorar o seu parque de jogos no Campo de Santa Cruz, conseguia ainda inaugurar a 29 de Julho de 1934, a sua piscina com as dimensões de «30 x 8m ... no extremo mais fundo, ... 2 metros». Este tanque ficaria nas imediações dos balneários (zona hoje que está coberta com um monte de terra). A inauguração marcou «um acontecimento desportivo de vulto para a nossa cidade, porquanto há anos que vem sendo debatido pela imprensa este problema da necessidade duma piscina». É de salientar que esta piscina foi inicialmente muito concorrida, não só por estudantes, como por outros grupos de utentes.

 

            Depois do grande melhoramento que foi a Piscina da Académica, anexa às imediações dos balneários do Campo de Santa Cruz, um rink de patinagem seria construído junto ao recinto de basquetebol. O local do Hóquei em Patins viria a ser inaugurado em Junho de 1938, sendo palco de todas as jornadas do primeiro campeonato de Coimbra que começou a 13 de Novembro do corrente ano.

 

                Em 1956 a Académica inaugura um novo campo de basquete, outra vez dentro do Campo de Futebol “Santa Cruz”. Desta vez, há um encurtamento do campo de futebol tendo sido construído um recinto anexo de basquetebol, com um piso de alcatrão.

 

                 Em 1965 a Académica passa a utilizar o campo de Basquetebol do primeiro e novo Pavilhão Gimnodesportivo de Coimbra, o do Liceu D. João III (actual Escola Secundária José Falcão). O recinto de basquete anexo ao Campo de Futebol “Santa Cruz” é destruido voltando o campo de futebol a ter as medidas totai.

 

                De acordo com o jornal As Beiras, «desde 1 de Julho de 2003 que nada acontece no Campo de Santa Cruz. Até agora, foram alguns os subsídios prometidos pelo Governo e que não chegaram à Direcção Geral/Associação Académica de Coimbra (DG/AAC). “A resposta eternizou-se”, começa por lamentar Paulo Fernandes, líder da associação estudantil. Assim, a Academia decidiu avançar, juntamente com a Reitoria da Universidade de Coimbra, para a abertura de um concurso público para a conclusão das obras, apresentado ontem à comunicação social. “Foi uma decisão unânime desta direcção geral”, lembra Paulo Fernandes, que fundamenta a opção: “este é um local mítico da cidade e que não podia continuar parado. Agora que acabam de entrar mais três mil estudantes na nossa universidade, parece-me uma boa altura. O Campo de Santa Cruz é o melhor equipamento desportivo da AAC e esperemos que, com esta decisão, este seja o início do fim”. Até ao momento, e feito o saldo da 1.ª fase das obras, o Santa Cruz conta já com uma zona de balneários, uma sala polivalente, um apartamento superior no edifício central e ainda com novo enquadramento exterior. Na 2.ª etapa do projecto, avançar-se-á para a conclusão do relvado sintético, o campo central a ser utilizado pela maioria das secções desportivas da Academia. Presente na cerimónia, o Reitor Seabra Santos falou do “momento de alegria, num espaço que irá devolver à cidade e à Academia algo muito importante”... Quando foi contactado pela DG/AAC, Seabra Santos “pensava que a Universidade tinha esgotado o seu apoio ao Campo de Santa Cruz com os 550 mil euros da 1.ª fase”. Contudo, dois motivos foram essenciais para a Reitoria avançar com o apoio. “Prevaleceram o valor do património num espaço como este e, por outro lado, o esforço da DG/AAC em terminar o projecto”, explica Seabra Santos. Perspectiva-se agora “uma gestão conjunta entre a Reitoria, a AAC e os Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra”, mas, até, lá será de todo aconselhável, ressalva o Reitor, “diminuir os custos da AAC”. Os mais pessimistas apontam a conclusão do Campo de Santa Cruz “em menos de um ano, mas os mais optimistas diriam em quatro meses”... Para se tornar possível o avanço nas obras do Santa Cruz, a Reitoria da Universidade contribuiu com 150 mil euros, num total de 420 mil euros, o valor estimado para, dentro de cerca de cinco meses, concluir o relvado sintético em falta. Assim, a obra leva já, no montante global, com o IVA incluído, cerca de 990 mil euros de custo. Um valor que não assusta os responsáveis pelo projecto, porque “tratar-se-á de um sintético de 3.ª geração”, sublinha Seabra Santos, o que permite o regresso de um espaço “necessário” para Coimbra. “Não fosse a colónia de sapos parteiros” que invadiu o Campo de Santa Cruz, no contexto da 1.ª fase das obras, e, se calhar, as obras já estariam concluídas.

http://www.asbeiras.pt/?area=desporto&numero=49327&ed=21092007

publicado por Grupo Media Coimbra às 20:41
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Jogos Tradicionais

. Videos de Basebol...

. Cartaz do Torneio de Base...

. Taça de Hóquei Latina em ...

. Aero Clube de Coimbra e o...

. Lacrosse apresentado na A...

. Câmara quer construir em ...

. Vídeo de um encontro de r...

. Vídeo entre a Académica e...

. Vídeo da nova Pista de Sk...

.arquivos

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds